Início » Amor » Entenda a diferença entre amor e paixão segundo a ciência

Entenda a diferença entre amor e paixão segundo a ciência

diferença entre amor e paixão

O amor e a paixão são termos frequentemente usados de forma intercambiável, mas na realidade são dois conceitos diferentes. Enquanto a paixão é uma emoção intensa e transitória, o amor é um sentimento duradouro e estável.

Neste artigo, vamos explorar a diferença entre amor e paixão segundo a ciência e entender como esses sentimentos se manifestam em nossas vidas.

O amor e a paixão são temas que fascinam a humanidade há milênios. Desde a Grécia antiga até as produções cinematográficas atuais, esses sentimentos têm sido explorados de diversas maneiras.

No entanto, apesar de serem frequentemente retratados como sinônimos, amor e paixão são duas emoções distintas e podem ser compreendidas de forma diferente pela ciência.

O que é paixão?

A paixão é uma emoção intensa e transitória, caracterizada por sentimentos de atração e excitação.

Ela é geralmente associada a um forte desejo de estar com outra pessoa e pode ser acompanhada de sintomas físicos como aceleração do coração, sudorese e tremores. A paixão é frequentemente descrita como uma “montanha-russa emocional”, com altos e baixos extremos.

O que é amor?

O amor é um sentimento duradouro e estável, que envolve uma forte ligação emocional e afetiva com outra pessoa. É caracterizado por sentimentos de carinho, respeito, lealdade e compromisso.

Ao contrário da paixão, o amor é uma emoção mais tranquila e estável, que pode persistir ao longo do tempo e mesmo em momentos difíceis.

A diferença entre amor e paixão

Enquanto o amor é um sentimento duradouro e estável, a paixão é uma emoção intensa e transitória. O amor envolve compromisso, respeito e lealdade, enquanto a paixão é mais focada na atração física e emocional.

Além disso, a paixão é frequentemente associada a comportamentos impulsivos e irracionais, enquanto o amor é mais reflexivo e ponderado.

A neurociência do amor e da paixão A neurociência tem contribuído significativamente para o entendimento da diferença entre amor e paixão. Estudos têm demonstrado que a paixão é acompanhada de um aumento nos níveis de dopamina, um neurotransmissor associado ao prazer e à recompensa. Isso explica por que a paixão pode ser tão intensa e viciante.

Já o amor envolve uma combinação de vários neurotransmissores, incluindo oxitocina, serotonina e vasopressina, que promovem sentimentos de calma, confiança e lealdade.

Os estágios do amor

1º. Paixão ou atração

O primeiro estágio do amor é caracterizado por intensa atração física e emocional por outra pessoa. É marcado por sentimentos de euforia, entusiasmo e uma vontade de estar perto da outra pessoa o tempo todo.

Segundo a teoria triangular do amor de Robert Sternberg, a paixão é um dos três componentes do amor, juntamente com a intimidade e o comprometimento. Esses três componentes podem se desenvolver em diferentes momentos e proporções em relacionamentos amorosos.

2º. Fase de lua de mel

Na fase de lua de mel, as pessoas se sentem extremamente felizes e satisfeitas em seu relacionamento, e tendem a idealizar o parceiro e o relacionamento em si. Essa fase é geralmente caracterizada por sentimentos de empolgação, alegria, bem-estar e prazer.

Porém, a fase da lua de mel é geralmente de curta duração e pode variar de algumas semanas a alguns meses. Segundo a teoria do amor de Lee, a fase da lua de mel é uma das seis etapas do amor, juntamente com a descoberta, a intensificação, a revisão, a avaliação e a resolução.

3º. Apego ou compromisso

No estágio de apego ou compromisso, o casal se une de forma mais profunda, desenvolvendo um senso de compromisso e um desejo de manter a relação a longo prazo.

Neste estágio, as pessoas costumam desenvolver laços emocionais mais fortes e passam a confiar mais um no outro. Conforme a teoria do apego de Bowlby, o apego é uma necessidade humana básica. É desenvolvido em resposta às necessidades de segurança e proteção.

4º. Amor maduro ou companheiro

No estágio do amor maduro ou companheiro, a relação evolui para uma fase mais calma e estável, onde há um profundo sentimento de amor, confiança e respeito. Este estágio é caracterizado por um senso de segurança emocional, intimidade e compromisso mútuo.

Segundo a teoria do amor de Hendrick e Hendrick, o amor maduro é uma combinação de paixão, intimidade e comprometimento, e é a forma mais saudável e duradoura de amor.

Os 4 estágios da paixão

A paixão é um estado emocional intenso e efêmero, caracterizado por uma forte atração por outra pessoa. Embora a paixão possa ser vivida de forma única por cada indivíduo, alguns estudiosos descrevem uma série de estágios que são comumente experimentados.

1º. Atração

O primeiro estágio da paixão é a atração. Nesse estágio, é comum sentir uma atração física por outra pessoa.

De acordo com Helen Fisher, antropóloga da Rutgers University, essa atração é impulsionada por substâncias químicas cerebrais como a dopamina, a noradrenalina e a serotonina. Essas substâncias criam sentimentos de euforia e excitação que são comuns no início de um relacionamento.

2º. Fascinação

O segundo estágio da paixão é a fascinação. Nesse estágio, as pessoas começam a se concentrar em suas semelhanças e diferenças, suas histórias pessoais e interesses.

O psicólogo Robert J. Sternberg descreveu esse estágio como um “amor intelectual”, no qual as pessoas começam a se conhecer melhor e a se envolver em conversas profundas e significativas.

3º. Apego

O terceiro estágio da paixão é o apego. Nesse estágio, as pessoas começam a se sentir profundamente conectadas umas com as outras.

O neurocientista Paul J. Zak descobriu que o hormônio oxitocina, muitas vezes chamado de “hormônio do amor”, é liberado em grandes quantidades durante esse estágio. Esse hormônio cria sentimentos de confiança, segurança e comprometimento entre os parceiros.

4º. Obsessão

O quarto e último estágio da paixão é a obsessão. Nesse estágio, as pessoas podem se tornar excessivamente preocupadas com o relacionamento e o parceiro, o que pode levar a comportamentos obsessivos e ciúmes.

A psicóloga Dorothy Tennov cunhou o termo “amor obsessivo” para descrever esse estágio, no qual a pessoa pode se sentir incapaz de se concentrar em qualquer coisa além do objeto de sua paixão.

A diferença entre amor e paixão

Embora a paixão possa ser um componente do amor, é importante distinguir entre esses dois conceitos. A paixão é caracterizada por sentimentos intensos de atração e excitação, muitas vezes acompanhados de comportamentos impulsivos e irracionais.

Já o amor é um sentimento mais profundo, que envolve compromisso, confiança e lealdade. O amor é uma emoção mais estável e duradoura, enquanto a paixão pode ser efêmera e volátil.

Os efeitos do amor e da paixão no cérebro A paixão ativa áreas do cérebro associadas à recompensa e ao prazer, como o córtex pré-frontal e o núcleo accumbens. Isso pode explicar a sensação de euforia e bem-estar que acompanha a paixão.

Por outro lado, o amor ativa áreas do cérebro associadas à empatia, como o córtex cingulado anterior, que pode promover sentimentos de conexão e compaixão.

Os hormônios do amor e da paixão

A paixão é acompanhada de um aumento nos níveis de dopamina, um neurotransmissor associado ao prazer e à recompensa. A dopamina está envolvida em comportamentos motivados por recompensas, como a busca por alimento e sexo.

Além disso, a paixão também pode aumentar os níveis de norepinefrina e adrenalina, hormônios que ativam a resposta de luta ou fuga do corpo.

O amor é acompanhado de um aumento nos níveis de oxitocina, um hormônio que promove a confiança, a empatia e o apego. A oxitocina é liberada durante atividades como o contato físico, como abraçar e beijar, e durante a amamentação.

Além do mais, o amor também aumenta os níveis de serotonina e vasopressina, hormônios que promovem sentimentos de calma, lealdade e estabilidade emocional.

Os desafios do amor e da paixão

Embora o amor e a paixão possam trazer muitos benefícios para a vida, também podem apresentar desafios e dificuldades. A paixão pode ser efêmera e volátil, e muitas vezes pode levar a comportamentos impulsivos e irracionais.

O amor, entanto, pode enfrentar desafios como a monotonia e o desgaste ao longo do tempo. É importante cultivar o amor e a paixão por meio de ações consistentes e demonstrações de afeto ao longo do tempo.

Diferentes processos químicos

Em resumo, o amor e a paixão são conceitos diferentes, que envolvem diferentes processos psicológicos e neuroquímicos. Enquanto a paixão é caracterizada por sentimentos intensos de atração e excitação, o amor envolve compromisso, confiança e lealdade.

Embora ambos possam trazer muitos benefícios para a vida amorosa, é importante reconhecer as diferenças entre eles e encontrar um equilíbrio saudável.

Entender a diferença entre amor e paixão é crucial para o sucesso de qualquer relacionamento amoroso. Quando estamos apaixonados, é fácil confundir esses sentimentos intensos com amor verdadeiro.

No entanto, a paixão muitas vezes desaparece rapidamente, deixando-nos com uma sensação de vazio e desilusão. Por outro lado, o amor verdadeiro é duradouro e envolve um compromisso e dedicação contínuos.

A ciência nos ajuda a compreender os processos neuroquímicos envolvidos em cada um desses estágios, mas a verdadeira magia do amor e da paixão está em como esses sentimentos moldam nossas experiências e nos tornam seres humanos mais completos.

Ao reconhecer e honrar as diferenças entre amor e paixão, podemos cultivar relacionamentos saudáveis e gratificantes que duram para sempre.